Cinematógrafo

Ex Machina

Abrindo meu estoque de "filmes que acho que são bons e vou guardar pra ver depois", dei de cara com Ex Machina. Não me enganei. É um filme realmente bom. Aliás, a escolha do título certamente não é ao acaso, mas guardemos isso pra logo mais. Numa época não especificada, um jovem programador (Caleb) ganha o direito de passar uma semana na casa do dono da empresa (Nathan) na qual trabalha. No entanto, fica claro, desde o início, que se trata de uma megaempresa e que o tal patrão é uma espécie de gênio da tecnologia. Caleb parte então para a casa do empresário e não demora muito a perceber que nem tudo é como aparenta ser. O jovem é incumbido de avaliar a suposta primeira "inteligência artificial" do mundo. Esta, representada por um corpo feminino, o qual atende pelo nome de Ava. Durante sete dias, o rapaz tem conversas com Ava e, aos poucos, percebe que seus sentimentos por...
Leia mais

Elle

Além de Isabelle Huppert no elenco, Elle é incrível pelo simples fato de ir, a cada cena, desconstruindo absolutamente tudo o que você achava que estava deduzindo até cinco segundos antes. Michèle Leblanc é uma mulher bem sucedida e independente. No entanto, você só descobre isso depois. Afinal, o filme opta por iniciar com trechos do estupro sofrido pela personagem. O criminoso, de rosto coberto, sai correndo, deixando-a estirada no chão da sala de casa. Sim, algo devastador ocorre com ela. No entanto, a personagem continua como se nada houvesse ocorrido. Negação? Trauma? Coragem? Tudo isso combinado? N.D.A? Como eu disse, o mais interessante sobre Elle é a própria estrutura narrativa. Viradas sutis à cada instante, mas sem exageros, garantem um "debate pós-filme" daqueles que rendem horas. Afinal, o foco do filme é, sem dúvida, o papel da mulher dentro de uma sociedade completamente misógina que ainda se debate com a presença de uma figura feminina que se recusa a...
Leia mais

Fragmentado (Split)

Feliz da vida em poder dizer que é o segundo filme (em sequência) do Shyamalan ao qual assisto e gosto. Sempre fui fã dos trabalhos dele, mas seria míope se dissesse que o cara tem uma filmografia impecável. Derrapadas à parte, parece que desde A Visita ele acertou de novo a mão e parou de estragar as histórias em momentos críticos da narrativa. (É isso. Estou me referindo ao Fim dos Tempos) Fragmentado trata de um tema que, particularmente, sempre me interessou (Transtorno Dissociativo de Identidade), mas de uma maneira bem característica do diretor. Em outras palavras, com doses generosas de realismo fantástico. No papel principal, o filme traz o excelente James McAvoy como um homem que sofre com a doença e que "hospeda" em si 23 personalidades completamente diferentes. De uma criança de nove anos, passando por um estilista até chegar a um psicopata extremamente perigoso. O fio condutor? Ele sequestra três adolescentes e as mantêm em cativeiro. O filme vai...
Leia mais

Below her mouth

Sempre garimpando títulos do tipo "low profile", esbarrei em Below her mouth. Claro que não li a sinopse antes, mas me convenci em assistir pelo simples (lindo) fato de a produção ter sido totalmente realizada por mulheres. O filme se passa no Canadá e narra o encontro entre duas mulheres. Uma, editora de uma revista de moda. A outra, uma "roofer" (sim, aquelas pessoas pagas para montar/consertar telhados). A primeira, noiva e às vésperas do casamento. A segunda, saindo de um relacionamento, aparentemente, longo. Elas se conhecem e meia hora depois se apaixonam. Tá, meia hora é exagero. Acrescentemos então, 01 dia. Acho que o filme tem alguns pontos bem interessantes que vão, desde enquadramentos, passando pela trilha sonora, até chegar ao que eu considero o mais bacana: a utilização do sexo como um instrumento narrativo. Em outras palavras, Below her mouth, como tantos outros filmes, aposta em utilizar não apenas o ato sexual, mas a sexualidade como linhas dentro...
Leia mais

Logan

Não, não sou daquelas ratas de HQ, mas sim, sou meio que a "louca dos X-Men". Dito isto, claro que saí correndo pra ver Logan. Apavorada, diga-se de passagem. A razão? Todos os filmes anteriores sobre o grupo de super heróis mais incrível do mundo foram um fiasco! A verdade é que, com exceção do "First Class", os demais podem (devem?) ser facilmente esquecidos. Agora é claro que nem tudo foi derrota total e podemos pinçar excelentes atuações ao longo de tantas produções. Uma das melhores? Hugh Jackman que, semelhante ao que ocorreu com "Homem de Ferro + Robert Downey Jr.", conseguiu sempre ficar extremamente à vontade sob a pele do carrancudo Wolverine. Em Logan, o ator se despede do herói e, FELIZMENTE, em grande estilo. Com uma adaptação madura da história original dos quadrinhos (O Velho Logan), o filme traz uma narrativa concisa e, ao mesmo tempo, nostálgica, mas na dose certa. O herói do corpo esculpido dá lugar a...
Leia mais

Moonlight

Não sei explicar o quanto me deixa feliz e de alma lavada ver o cinema abordando questões tão pouco debatidas e, ainda por cima, jogando alguns fachos de luz sobre alguns tipos de personagens tão pouco evidenciados. Ambientado nos guetos de uma Miami quase atemporal, o filme narra a vida de um jovem negro, desde a infância até a idade adulta. Aliás, os períodos de mudanças drásticas na vida do rapaz, marcam os três capítulos com os quais o filme é dividido: Little, Chiron e Black. Little, a criança deslocada e à mercê dos mais fortes. Chiron, o adolescente franzino e vítima de seus pares por conta de sua possível orientação sexual. E Black, um homem que usa a aparência física para mesclar-se à massa e, ao mesmo tempo, proteger-se dela. Moonlight traz um roteiro sutil que faz com que o filme mantenha um ritmo relativamente lento, mas necessário. Como disse antes, um dos maiores méritos do filme é aproximar do...
Leia mais

Estrelas além do tempo

Em tempos cada vez menos intolerantes, nada como um filme sobre mulheres negras e poderosas sambando na cara do patriarcado. Estrelas além do tempo tira do ostracismo a história de luta de três mulheres (Katherine G. Johnson, Dorothy Vaughan e Mary Jackson) que ousaram não se acomodar nos bancos de trás dos ônibus e tampouco se calar diante da segregação racial institucionalizada. Mas afinal, o filme fala sobre...? Num dos muitos episódios que marcaram os anos de Guerra Fria, a disputa intensa entre EUA e União Soviética pela “conquista do espaço", talvez tenha sido um dos mais emblemáticos. O filme aborda, por um lado, o pânico americano frente à “ameaça comunista” e, por outro, todas as dificuldades pra quem nasceu mulher e negra, numa época em que as tensões sociais e raciais andavam extremamente tensas e acirradas. No entanto, o cenário proposto corresponde às dependências da Nasa, a qual contratava pessoas com a função de “computadores”. Em outras palavras, matemáticas brilhantes, responsáveis pelo cálculo e...
Leia mais

La la Land

Sim. Muito e ainda mais já foi falado e esmiuçado sobre um dos musicais que mais vem fazendo sucesso nos últimos tempos. Mas eu PRECISO falar sobre ele. Confesso que vi ainda na estreia e tentei, ao máximo, chegar ao cinema com o mínimo de expectativas. Logo, não li nada a respeito e, tirando o fato de saber que rolaria música do início ao fim, procurei fechar olhos e ouvidos a quaisquer informações prévias. Vamos resumir? Não fosse o final que, mesmo óbvio, consegue dar um bom fechamento, La La Land teria entrado no meu hall dos "filmes-que-achei-que-seriam-incríveis-mas-acabaram-meia-boca". É claro que eu estava curiosa pra entender o “bafafá” do público em relação ao filme. Afinal, o que haveria de tão incrível e diferente assim nele? A real é que La La Land é um filme com algumas barrigas e que poderia ficar fácil com uns quinze ou vinte minutos a menos. Nada que comprometa o resultado, mas isso realmente me incomodou. Aliás,...
Leia mais

O Contador

Confesso que fiquei um pouco na dúvida sobre este filme antes de vê-lo. Após a sessão, fiquei mais confusa ainda. Explico. Através de algumas narrativas paralelas e, ao mesmo tempo, completamente relacionadas, o filme fala, principalmente, sobre um genial matemático que trabalha como contador (Ben Affleck). No entanto, ele não se diferencia dos demais apenas pela inteligência, mas pelo fato de ser autista e ter um vida marcada por uma infância, no mínimo, conturbada. Além de tudo isso, o tal contador vai se mostrando, ao longo da trama, ser bem diferente do que aparenta e o resultado é um matemático que sabe lutar caratê, atirar como um soldado de elite e, que pra completar, trabalha pra um pá de gente estranha e do mal. Claro que adicionar "camadas" à obra é (quase) sempre interessante e válido. Porém, mais eficaz é saber a hora de manter a simplicidade narrativa. Ou seja, tudo o que não foi feito em "O Contador".Deixou a impressão...
Leia mais

A Chegada

Desde "Interestelar", estava com saudades de ver um bom filme de ficção científica. Vontade satisfeita! Depois de obras como "Sicario" (2015) e "Incêndios" (2010), o diretor Denis Villeneuve envereda por um caminho bem diferente em "A Chegada", o qual narra a chegada repentina de 12 naves espaciais à Terra. No entanto, ao contrário da maior parte dos filmes do gênero, este ganha pela sutileza e pelos espaços deixados por tudo o que não deve e tampouco precisa ser contado, mas talvez apenas compreendido por cada espectador. Com um elenco central relativamente enxuto para uma obra de ficção científica (Amy Adams, Jeremy Renner, Forest Whitaker), o filme nos apresenta uma abordagem narrativa inteligente e com um ritmo bem próprio aos trabalhos anteriores do diretor. Em "A Chegada", o objetivo mundial é saber quais as reais intenções dos seres visitantes, uma vez que cada uma das naves "estacionou" em cima de algum ponto relevante do planeta, principalmente, quanto a aspectos políticos e armamentistas....
Leia mais