A polêmica literatura erótica

Saiba mais sobre os motivos que levam escritores a publicarem um estilo sempre tão atacado

Print page

Fotos: Anny Lucard

O natal de 2012 foi um dos mais “hot” em anos, sem se referir ao clima quente do verão brasileiro, e sim pelos vários livros eróticos publicados no ano, dos quais muitos foram parar em árvores natalinas. Esse fenômento ocorreu pela última vez em 1992, quando o erótico estava em foco por causa do lançamento do álbum com livro ‘Erotica’ da Madonna, assim como a adaptação mais sensual para o cinema do livro ‘Drácula’ de Bram Stoker.

Para ser considerado desse gênero não importa o tipo de texto, podendo incluir histórias apenas eróticas, como é o caso do bestseller ’50 Tons de Cinza’ de E.L. James ou textos de gêneros variados, mas que possuem erotismo, como várias publicações nacionais de literatura fantástica lançadas durante o ano que passou.

Um dos livros lançados entre os novos autores nacionais que inclui erotismo a seu texto é ‘Immortales’ da Roxane Norris, onde há a construção de uma sociedade sobrenatural que segue regras de condutas de antigas sociedades humanas, misturadas a natureza sobrenatural dos personagens e a assuntos complexo para os humanos, como sexo e relações sociais/familiares.

Outra autora que também enriquece seu texto sobrenatural ao incluir erotismo junto aos fatos históricos e da atualidade é Giulia Moon, que em sua série de livro Kaori, se inspira na cultura japonesa. Mesclando os seus lascivos vampiros e seres sobrenaturais a realidade humana, do presente e passado,a autora foge dos padrões vistos em lendas europeias.

Falar ou não de sexo sempre é uma questão polêmica

Sobre o assunto a autora Gisele D´Angelo comenta que “ainda existe a desinformação e falta de incentivo a leitura”. A falta de  hábito de ler torna as pessoas limitadas a um tipo de texto e muitas vezes, é a pouca informação que causa a estranheza a certos livros e não se são bons ou ruins.

Além disso, a autora, que também é naturopata(terapeuta que usa essencialmente métodos naturais), revela que usa as metáforas nas quais construiu a trama de seu livro, para ajudar em seu trabalho junto aos pacientes. Ao falar sobre assuntos abordados na história, como a sexualidade, ela percebeu que todos ficavam mais relaxados e até empolgados para continuar o “papo”.

O livro foi a maneira que encontrou de manter uma conexão com os pacientes e inspirar as pessoas a se olharem mais, “percebendo que há outras maneiras de se abordar os mais diversos temas e situações”,comenta Gisele.

Segundo os autores, não é porque o texto tem sexo que seja ruim, ou que seja bom por estar a frente do seu tempo ao introduzir um assunto polêmico. Ao escrever algo, o autor tem que entender que será visualizado na mente de quem lê e cada um verá a situação de uma forma. O mesmo assunto será diferenciando em relação ao gosto do leitor, conhecimento geral e até se for um homem ou uma mulher.

Críticas virão, até porque há os que gostam de textos mais explícitos, geralmente território masculino, e outros dos que buscam nas metáforas dar beleza ao ato sexual, território mais feminino. No entanto, o autor Nelson Magrini destaca que “há de se tomar cuidado para não se justificar qualquer crítica (negativa) sob tal aspecto, afinal, tem hora que a obra é criticada por não ser boa mesmo”.

A questão do que é uma obra boa ou ruim nos dias atuais está cada vez mais complexa, pois boa parte das pessoas com maior conhecimento literário, se limitam a repetir o que foi ensinado. Não levam  em conta as mudanças ocorridas nas últimas décadas, em especial no Brasil, e a falta de atualização da grade curricular de muitos cursos.

Novas obras, mesmos críticos 

Profissionais que estudam a fundo textos clássicos, mas não se especializam na nova literatura, não terão condições de analisar devidamente uma obra atual que não está nos padrões da literatura tradicional.

O autor teatral William Shakespeare nunca seria parte da literatura clássica, se não tivesse a aceitação quanto as mudanças que os textos de suas peças causariam. Por isso não faz sentindo manter os padrões de décadas atrás, especialmente quanto às últimas ocorreu a inclusão da mulher de forma mais concreta e numerosa na literatura mundial.

A autora Nazarethe Fonseca, criadora da sensual série sobre vampiros ‘Alma e Sangue’, condena a visão crítica que buscar nivelar textos, pois “a formação de cada indivíduo, de um escritor, de um artista é singular.” Outra coisa evidente é a questão dos autores terem liberdade de expressão de acordo com o sexo. Dividindo a literatura em “o que homem pode e mulher não”, imediatamente julgando e condenando autoras que não sigam o padrão.

“É justamente isso que a critica faz, tentar nivela à escrita. Temos dois mil anos de evolução, e com eles castigos e criticas cruéis para proibir e reduzir a criação e comportamento feminino a status de bruxaria, imoralidade, ofensa aos costumes e qualquer outra coisa que contribua para que a mulher continuasse ocupando um papel menor na história,” lamenta Nazarethe Fonseca.

Roxane Norris fala que as autoras não tem que reproduzir pensamentos masculinos e acredita que é justamente por ter uma visão diferente, e feminina, as autoras estão ganhando espaço.

O problema é que muitos críticos relutam a mudança e continuam mantendo os padrões estabelecidos em tempos onde a mulher era proibidas de escrever, o que dirá criar estilo dentro de um terreno até então só masculino, como o erótico. Giulia Moon comenta um fato curioso sobre a literatura no Japão, mencionando a série de romances ‘Genji Monogatari’, escrito por uma aristocrata da corte do Imperador, Murasaki Shikibu.

“Foi escrito no início do século XI, e seus personagens, à maneira da época, eram extremamente sensuais. É considerado um clássico de importância comparável à obra de Shakespeare para os japoneses”, revela.

“Talvez por ter nascido da mente feminina, mais observadora e detalhista, seus personagens têm muita consistência, as personalidades são descritas de forma precisa e as suas atitudes são coerentes e tão reais que os seus problemas e dilemas ainda hoje atraem o público”, completa Giulia.

Vampiros também amam

No Brasil, uma das editoras visionárias ao pensar em contos eróticos foi a Giz

Editorial, que ainda em 2008, lançou a antologia ‘Amor Vampiro’ com 7 autores, grupo composto de homens e mulheres. “A ideia surgiu num bate papo informal com três autores durante um evento”, informa a editora da Giz, Simone Mateus.

No início seria apenas uma publicação de contos eróticos de vampiros, mas no decorrer dos trabalhos foi decidido que outros autores seriam convidados e foi ampliada a liberdade para escrever sobre como o vampiro ama, se é que ama, o que a tornou o livro bem equilibrada e interessante. Onde há uma abordagem de facetas variadas do amor dos vampiros, assim como a inclusão de dose de sensualidade e erotismo diferenciada.

A ideia gerou uma das antologias mais vendidas e conhecidas entre os fãs de literatura fantástica e vampiresca nacional, graças a qual a série Kaori surgiu, pois a Giz apostou na vampira do conto de Giulia Moon, uma das autoras participantes, que hoje já conta com 3 livros publicados.

Também participa da antologia o autor Nelson Magrini, contando a história de sua sensual vampira Isabella. Quando questionado sobre seus textos, se todos possuem carga erótica o autor revela que “em termos de erotismo, foi uma experiência única, junto ou não à Literatura Fantástica”

“Contudo, nada me impede de voltar ao erotismo algum dia,” confidenciando que possui um projeto em andamento que poderá ser classificado como erótico. A autora Simone O. Marques também usa de sensualidade para apimentar sua trama ao tornar, em seu vampiresco livro ‘Agridoce’, cada mordida é uma analogia perfeita ao ato sexual. Já que escreve sobre bruxas e vampiros, afirma que o erotismo é parte intrínseca das narrativas.

“Tanto vampiros quanto bruxas trazem o erotismo para junto da pele dos seres comuns. Eles trazem em sua construção a superação de tabus, medos e limitações que a sociedades, ao longo da História, impõem às pessoas, para controlá-las,” comenta. “O erotismo está presente em meus livros e o trato como um movimento natural”, finaliza Simone.

Por

anny.lucard@oestadorj.com.br

3 comentários

  1. eu adoro livro do gênero eróticos são muito bons apimentam a relação a dois
    50 tons de cinza é um bom exemplo disso eu gostei da trilogia
    entre outro livros livros bons que tem saido no mercado editorial
    é sucesso eu gosto
    essa é a minha opinião
    por mim poderia lançar mais
    eu tenho a imprenssão que os que creticam essas obras são os que mais lêem
    muito bom
    adoro livros de erotismo

  2. Os livros de vampiros eu tambêm adoro são muito bons a Série Kaori da Giulla Moon Adeus A Humanidade da autora Marcia Rubim e o Andarilho das Sombras
    do Eduardo Kasse e a Série Alma e Sangue da autora Nazareth Fonseca
    bons demais

  3. Estou emocionada e agradecida por fazer parte dessa matéria, a qual, devo dizer, está muito boa. Adorei poder debater sobre esse tema.
    Obrigada, Anny Lucard.
    Roxane Norris