Viva a Vida Enquanto é Tempo!


Atendendo a pedidos inicio este ano com artigos bem interessantes sobre preferências sexuais, desejos e muitos outros, mas antes não posso deixar de falar do mais importante, a vida!  Não sei se por questões culturais, religiosas ou pessoais, ou talvez seja por todas elas juntas, mas o fato é que, por mais estranho que pareça, a maioria das pessoas desperdiça o convite VIP que recebeu ao nascer e, negligentemente, joga fora a oportunidade de aproveitar a grande festa chamada Vida!

“A vida é um banquete maravilhoso e a maioria dos idiotas continua morrendo de fome”! (Tia Mame, do filme Auntie Mame), desde que ouvi, achei de uma medida perfeita e urgente. Embora possa parecer agressiva num primeiro momento, ela é, acima de tudo, provocativa, um convite à reflexão e um apelo ao abandono de uma das maiores ilusões do ser humano: a de que viver e amar tem a ver fundamentalmente com sofrer. Acredito que ninguém se julgue um idiota pelo menos não o tempo todo, mas certamente, em algum momento, após ter feito algo que rendeu prejuízos, sobretudo a si mesmo, já se sentiu um perfeito idiota! Até aí, nenhum privilégio. O problema é quem passa a vida toda se boicotando, afundando-se em reclamações e reforçando a crença do “se”. “Se” tivesse isso ou aquilo, “se” fosse assim ou assado, “se” conseguisse, “se” conquistasse, enfim, uma interminável lista de impedimentos à própria felicidade. Obstáculos que a pessoa impõe a si mesma por se recusar a enxergar o banquete servido bem diante do seu nariz!

Sei que afirmar que a vida é aquilo que você acredita que ela seja, ou que o melhor está na simplicidade é cair no lugar comum e, para alguns, beira o pedante, mas é absolutamente surpreendente constatar o quanto essa verdade ainda não foi assimilada, por mais que já tenha sido repetida incontáveis vezes. Continuamos deixando a desejar quando se trata de sentar-se à mesa do tal banquete e se servir, se esbaldar, se lambuzar! E assim, feito tolos, a maioria continua morrendo de fome! Muitos, inclusive, morrem sem nunca terem se comportado como convidados realmente, como se o melhor da vida fosse reservado somente a alguns, que não eles. Assim, presos à ideia de que não podem, não devem ou não sabem como, vão aceitando migalhas, mesmo sabendo que quem gosta de migalhas é formiga, deixando o melhor para quem na opinião insegura deles merece mais e, enfim, passam seus dias conformados com uma vidinha mais ou menos, um relacionamento “meia boca”, bem pouco de intensidade, quase nada de sabores novos, e talvez nada da autêntica felicidade!

Pois então, se você está cansado de se sentir deixado de fora da grande festa, sugiro que comece a se comportar, a partir de agora, como o convidado de honra que de fato você é! Mude sua postura, levante os ombros, olhe adiante e se apodere totalmente do seu direito de estar neste mundo! Apodere-se também do seu merecimento de viver um amor que valha a pena, seja ele de que sexo for que agite suas células e faça seu coração estremecer. Se já tem um, invista nele como nunca fez antes. Aja como uma pessoa apaixonada e transforme pequenas ocasiões em cenas dignas de Hollywood. No seu trabalho, no social em qualquer meio, faça a diferença. Você não é apenas mais um. Você é um único exemplar exclusivo na humanidade!

Acredite ou não, as portas da festa da vida irão se abrir, os anfitriões irão te receber com pompas, os garçons irão te servir à vontade e a música vai rolar o tempo todo. Cabe somente a você a decisão de ficar apenas olhando ou, finalmente, fazer como manda muito bem a música: “Abra suas asas, solte suas feras, caia na gandaia, entre nessa festa!” até descobrir, com todos os poros de seu corpo, que sorri,amar, viver e ser feliz é muito mais uma questão de escolha individual do que de condições externas!

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Sem comentários ainda.

Deixe um comentário

*